Escoliose é uma curvatura anormal da coluna para um dos lados do tronco, determinada pela rotação das vértebras, e afeta cerca de 3% dos brasileiros. 

Casos leves podem não afetar a vida diária. Mas os casos graves podem ser dolorosos e limitar a atividade normal. A condição não decorre de maus hábitos posturais, ao contrário, é a curva da coluna própria da escoliose que, em muitas situações, é responsável pela má postura, já que esse tipo de desvio pode provocar alterações em todo o corpo.

Continue com a gente e fique por dentro de todos os tipos, sintomas e possíveis tratamentos.

Definição: O que é Escoliose

A escoliose é definida como uma alteração tridimensional da coluna vertebral, em que ocorre uma anomalia nas curvaturas fisiológicas da coluna e um desvio lateral é observado.

A alteração é caracterizada por presença de desvio lateral no plano frontal e lordose no plano sagital, associada ou não à rotação dos corpos vertebrais no plano transverso. 

A escoliose pode se localizar na região cervical (menos comum), torácica, lombar ou ainda ocupar essas duas últimas, sendo considerada tóraco-lombar. A nomenclatura é realizada de acordo com a convexidade e o posicionamento da curvatura. Por exemplo, uma curvatura em região lombar com convexidade à esquerda é denominada escoliose lombar esquerda.

Escoliose

Os tipos de Escoliose

Escoliose Estrutural x Não Estrutural

De acordo com a etiologia da alteração, a escoliose pode ser classificada em estrutural e não estrutural, também conhecida como funcional.

A escoliose estrutural pode ser osteopática, neuromuscular (paralisia cerebral, poliomielite, ou distrofia muscular) ou idiopática, que é aquela sem uma causa aparente. Ela é caracterizada pela rotação do corpo da vértebra no sentido da convexidade da curva. No exame radiológico é possível observar a rotação dos corpos vertebrais, e no exame clínico, a alteração se mantém presente, mesmo com alterações posturais e realizações de movimentos pelo paciente.

Na escoliose não estrutural, ou funcional, não ocorre alteração morfológica. Ela pode ser causada pela assimetria de membros inferiores, por espasmos musculares da coluna vertebral, por compressão de raiz nervosa, por condições inflamatórias (como a apendicite) ou por maus hábitos posturais. Tanto no exame radiológico, como no exame clínico, não são observadas rotações dos corpos vertebrais.

Desvio na coluna

Como identificar a escoliose?

Ângulo de Cobb: é a medida padrão universal para análise da escoliose, medida em graus no exame de radiografia de incidência ântero-posterior. 

Para traçar esse ângulo, é necessário identificar no plano superior e no plano inferior da curvatura as duas vértebras com maior grau de inclinação em relação ao plano horizontal.

Após a identificação, é traçada uma reta que acompanha a parte superior do corpo da vértebra mais inclinada na parte superior da coluna vertebral e outra reta que acompanha a parte inferior do corpo da vértebra mais inclinada na região inferior da coluna vertebral. Feito isso, é traçada uma perpendicular a cada uma das retas e o ângulo em que elas se encontram é o ângulo de Cobb.

Existe uma relação entre o ângulo de Cobb e a intervenção indicada para o tratamento: 

“Menor que 25°, tratamento conservador com fisioterapia; de 25 a 45°, tratamento com fisioterapia associado a utilização de colete. Acima de 45° o tratamento cirúrgico é indicado.” (Weinstein et al., 2008)

Escoliose

Tratamento para escoliose

A fisioterapia é recomendada como a primeira opção de tratamento para pequenas curvas, com a finalidade de impedir sua progressão. Os principais objetivos do tratamento fisioterapêutico são proporcionar o alongamento das cadeias musculares, aumentar a flexibilidade e mobilidade da coluna e melhorar o padrão postural do paciente.

Entre os métodos fisioterapêuticos para o tratamento da escoliose estão o Seas e Scrotch, que são exercícios específicos para escoliose com maior evidência científica. Pilates, natação e RPG não se provaram como métodos específicos para escoliose, apesar de ajudarem na consciência corporal e força muscular.

Em alguns dos casos, procedimentos cirúrgicos são recomendados com a finalidade de trazer mais qualidade de vida aos pacientes. Cirurgias como a Artrodese, Vertebral Body Tethering, Growing Rod, são tratamentos possíveis com indicações específicas. Nessas ocasiões, vale ressaltar a extrema importância de um médico especialista em cirurgia da coluna.

tratamento para escoliose

Possíveis complicações para quem sofre com Escoliose

As complicações associadas com a escoliose vão depender da localização e do tamanho da curvatura. Algumas vezes, o paciente pode relatar vergonha com o próprio corpo, pois em algumas roupas a alteração da curvatura fica mais perceptível.

Outra complicação é o fato da doença acometer muitas vezes crianças e adolescentes que, principalmente quando necessária a utilização do colete, não seguem o prescrito, dificultando a progressão do tratamento. Por esse motivo, a orientação é de extrema importância nesses casos, enfatizando a importância de cada etapa do tratamento.

Fatores de risco da Escoliose

Alguns fatores são considerados de risco para o desenvolvimento da escoliose. Além de ser mais comum no sexo feminino, o histórico familiar e a fase de crescimento acabam afetando, principalmente meninas em torno dos 15 anos.

Devido ao fato da escoliose grave pressionar a caixa torácica e dificultar a respiração, muitas vezes problemas respiratórios estão presentes nesses pacientes. Por isso, exercícios respiratórios, assim como os motores são essenciais a estes pacientes.

Não negligencie as dores na coluna, assim como assimetrias nos ombros, costelas e bacia

Vale ressaltar a importância de um médico especializado para realizar o diagnóstico correto, em alguns casos a intervenção cirúrgica pode ser recomendada por um especialista, com a finalidade de facilitar a locomoção. 

Pensando em proporcionar a melhor solução para sanar os problemas dos pacientes, o Dr. Henrique Noronha é médico ortopedista, especialista em cirurgia de coluna e intervenção de dor, usando técnicas minimamente invasivas, se colocando sempre à disposição para trazer mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com problemas na coluna – Agende já a sua consulta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *