A lombalgia, ou dor lombar crônica, acomete cerca de 2 milhões de brasileiros ao ano, isto é, mais de 90% das pessoas sofrem com esse tipo de problema durante a vida, sendo uma das mais importantes causas de afastamento do trabalho. 

A principal causa da dor lombar crônica é de origem muscular. As dores podem ser provocadas por esforços físicos realizados de maneira incorreta ou exagerada, como carregar peso em excesso, estar com sobrepeso ou permanecer em postura incorreta ao sentar, deitar ou andar.

No entanto, a lombalgia também pode ser originada por falta de exercício físico, inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento de vértebra, degeneração de alguma articulação e até por problemas emocionais.

Uma lesão tão frequente e com tantas possíveis causas merecem a nossa atenção. E é exatamente o que iremos fazer hoje: vamos desmistificar a lombalgia para tratar as dores crônicas na lombar. Continue acompanhando o artigo!

Lombalgia

Dor lombar crônica / lombalgia: O que é?

Lombalgia, também conhecida como Dor Lombar Crônica, é a dor que ocorre na região entre a décima segunda costela até o sulco interglúteo. 

Ela pode ser acompanhada de dor que se irradia para uma ou ambas as nádegas, ou para as pernas na distribuição do nervo ciático (dor ciática).

Como já citado anteriormente, o problema é bastante comum na população, e a OMS acredita que a maioria dos adultos provavelmente sofrerá, pelo menos uma vez, algum episódio de lombalgia durante a vida — a maior faixa de incidência está entre 35 a 55 anos.

Causas da dor lombar crônica / lombalgia

Devido à existência de um grande número de estruturas na coluna (ligamentos, tendões, músculos, ossos, articulações, disco intervertebral) há inúmeras causas possíveis para esse tipo de dor. Somando-se a isso, há inúmeras doenças sistêmicas não reumatológicas que podem manifestar-se com dor lombar. 

Porém, a maioria das dores lombares é causada pelo “mau uso” ou “uso excessivo” das estruturas da coluna (resultando em entorses e distensões), esforços repetitivos, excesso de peso, pequenos traumas, condicionamento físico inadequado, erro postural, posição não ergonômica no trabalho e osteoartrose da coluna, que com o passar do tempo, as estruturas da coluna vão se desgastando, podendo levar à degeneração dos discos intervertebrais e articulações.

Outras causas incluem doenças inflamatórias como a espondilite anquilosante, infecções, tumores, entre outros.

Lombalgia

Diagnóstico da lombalgia / dor lombar crônica

Um médico especialista tem um papel fundamental no diagnóstico e necessita sobretudo de um histórico detalhado da dor, fatores associados e um exame físico meticuloso para um diagnóstico correto.

O diagnóstico das lombalgias é, via de regra, clínico. Exames de imagem em geral não são solicitados em lombalgias agudas, apenas nos casos em que são observados alguns sinais de alerta como febre, perda de peso, déficit neurológico, idade acima de 50 anos e trauma. Quando há persistência da dor por mais 4-6 semanas, os exames devem ser solicitados.

Tratamento da dor lombar crônica / lombalgia

Em primeiro lugar, é preciso procurar um médico especialista para diagnosticar o caso — Nesse momento, uma boa conversa pode resolver, mas é provável que seja necessário fazer exames como radiografias e ressonâncias para avaliar a situação.

Depois de identificar a causa, o médico poderá orientar o paciente e também prescrever medicamentos, como analgésicos, anti-inflamatórios e outros para aliviar a dor. Em casos mais sérios, pode ser indicado até mesmo algum tipo de intervenção cirúrgica. 

tratamento lombalgia

Tratamento conservador da lombalgia

O tratamento conservador, não cirúrgico, é indicado na maioria das situações e é eficaz:

Outras formas de tratamento da lombalgia

Determinados pacientes, como dito anteriormente, necessitam de intervenções cirúrgicas, em algumas situações, intervenções minimamente invasivas como infiltrações articulares, bloqueios nervosos, radiofrequência e laser.

A cirurgia, envolvendo a fusão de segmentos vertebrais ou substituição de discos intervertebrais (prótese ou artroplastia de disco) acontecem muito raramente, sendo indicada na lombalgia apenas quando esgotados os meios clínicos ou quando associada a alterações neurológicas, deformidades ou instabilidades progressivas. .

A aplicação de Ozônio (ou ozonioterpia) não possui evidência científica suficiente para ser utilizada no tratamento de lombalgia. De acordo com a Resolução CFM nº 2.181/2018, trata-se de procedimento ainda em caráter experimental, cuja aplicação clínica não está liberada, devendo ocorrer apenas no ambiente da estudos científicos, conforme critérios definidos pelo Sistema CEP/CONEP”, e os médicos que não obedecerem as normas éticas estabelecidas pelo CFM e Conselhos Regionais de Medicina “estão sujeitos à denúncias e averiguação de suas condutas no que se refere à prescrição da ozonioterapia”, segundo o texto.

Como prevenir a lombalgia / dor lombar crônica

O principal fator para evitar o reaparecimento da lombalgia, e também para impedir que a dor torne-se crônica, é na maioria dos casos a modificação do estilo de vida. Atitudes como a ativação  postural, atividade física regular, controle de doenças sistêmicas (hipertensão, diabetes, ansiedade, depressão, distúrbios do sono), eliminação de hábitos nocivos (tabagismo, exercícios/atitudes posturais incorretas, excesso de álcool e alimentos processados), tendem a reduzir a intensidade e frequência das crises

Ela pode ser adquirida com técnicas de RPG, pilates, cinesioterapia, sempre acompanhados por um fisioterapeuta, idealmente. Estas atividades ajudarão o paciente a ter atenção especial na maneira de sentar, deitar e andar, além de evitar uma postura encurvada por muito tempo e o fortalecimento da região.

Outros pontos importantes são a realização de atividade física leve e a eliminação do sobrepeso, já que o excesso também prejudica a coluna. No cotidiano, é preciso cuidado para evitar carregar peso em excesso e, ao se abaixar, dobrar os joelhos e descer com a coluna reta.

Com essas recomendações simples, você evita aquelas tão incômodas dores nas costas. Lembre-se que, independente das orientações, é importante que você procure por um médico especialista em coluna.

lombalgia aguda

Fique atento, não negligencie as dores na coluna, assim como assimetrias nos ombros, costelas e bacia…

Vale ressaltar a importância de um médico especializado para realizar o diagnóstico correto, em alguns casos a intervenção cirúrgica pode ser recomendada por um especialista, com a finalidade de facilitar a locomoção. 

Pensando em proporcionar a melhor solução para sanar os problemas dos pacientes, o Dr. Henrique Noronha é médico ortopedista, especialista em cirurgia de coluna e intervenção de dor, usando técnicas minimamente invasivas, se colocando sempre à disposição para trazer mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com problemas na coluna – Agende já a sua consulta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.