Os estalos são um hábito na rotina de muitas pessoas, desde os mais comuns como estalar os dedos e pescoço, como aqueles não tão comuns assim, e que acabam preocupando muita gente, como é o caso dos estalos na coluna

Foi pensando nisso que reunimos neste artigo as principais dúvidas sobre estalos na coluna para você ficar por dentro do assunto. Vamos lá?

O que são e como se dão os estalos na coluna? 

Os estalos tratam-se de uma reação natural do organismo a um estímulo. O barulho que você escuta ao puxar os dedos, por exemplo, é resultado de uma diferença de pressão. 

O “estalo” é a quebra da tensão do líquido articular. Explicando de uma forma mais técnica: o líquido que está de um dos lados da articulação passa para o outro lado quando você estica ou pressiona alguma parte do corpo. É desta passagem que vem o barulho.

É por esta razão que, depois de um estalo, raramente você conseguirá repeti-lo com a mesma intensidade. É preciso esperar alguns minutos para que o líquido volte a se acumular, gerando a diferença de pressão novamente.

E isso se repete no caso da coluna, que é formada por uma série de pequenas articulações. O movimento do fluido sinovial, contido nestas articulações, causa os estalidos que você escuta quando torce o tronco ou quando se estica para trás ou para frente.

É normal estalar a coluna ou devo me preocupar?

Estalos na coluna só preocupam quando causam dor. 

Se não causam dor, os ressaltos (como os médicos chamam os estalos) não precisam ser vistos como um problema. 

Caso os estalos sejam realizados de vez em quando, estes não chegam a ser um problema. Mas repetir demais os movimentos pode comprometer a sua força. 

Não existe ligação aparente entre o estalo de articulações e a artrite. Entretanto, pessoas que têm o hábito de estalar os dedos apresentaram sinais de outros tipos de danos, incluindo lesões nos tecidos moles e até da cápsula articular, além de diminuição da força.

Essa lesão provavelmente resulta do alongamento rápido e repetido dos ligamentos que circundam a articulação, ou pode ser que pessoas com tendência a degeneração periarticular tenham hipersensibilidade articular o que as leva a realizar estalidos.

Quais são os tipos de estalos que causam dor?

Saiba que nem todos os estalos estão ligados às articulações. Alguns deles ocorrem nas chamadas fáscias (camadas mais profundas da musculatura). Quando é estimulada de forma abrupta, principalmente em pessoas sedentárias, a fáscia gera os estalos, porque dentro dela, também há um líquido semelhante àquele contido nas articulações. 

A diferença é que, normalmente, há dor neste tipo de ressalto. Ele acontece nos movimentos bruscos da escápula e dos ombros, por exemplo. 

O que devo fazer caso eu sinta dor ao estalar a coluna?

Nas situações em que há dor ao estalar a coluna, é importante que se busque ajuda especializada de um médico ortopedista, pois o especialista vai fazer mais do que aliviar o desconforto. Ele irá diagnosticar o problema e trazer soluções para que isso não ocorra novamente. 

Além de analgésico, geralmente o médico pode receitar uma compressa de gelo para aplicar no local.

É comum estalos na coluna durante a adolescência?

Sim. Muito comum entre os adolescentes, os estalos também podem ser resultado do chamado estirão de crescimento: nessa situação, os músculos são menores do que deveriam e não acompanham o crescimento ósseo, daí as dores e os estalos. 

Caso o adolescente esteja com sobrepeso, é recomendado uma dieta (assim as articulações deixam de ser tão forçadas) e também é necessário o acompanhamento de um fisioterapeuta para que ele estimule o alongamento muscular. 

Este alongamento tem de ser constante e aos poucos, para não haver lesões ou mais dores. Qualquer trabalho de hipertrofia também deve ser suspenso nesta fase, caso contrário, aumentarão as dores e o desequilíbrio.

Estalar as costas faz bem à coluna?

Esses ruídos atingem na verdade, os pontos de encontro entre dois ossos que conhecemos como articulação, que por sua vez são mantidos presos por tecidos como cápsulas, ligamentos, cartilagens e tendões.

Estalar os dedos, ombros, pé, tornozelos e o pescoço são hábitos comuns e promovem alívio para muitas pessoas. O ato de estalar não faz mal, quando ocorre ocasionalmente ou espontaneamente, mas quando repetido com frequência e com força na articulação estressam consideravelmente os tendões, cápsulas, cartilagens e ligamentos.

Estalar com freqüência a articulação aumenta a produção de líquidos internos, que pode levar ao engrossamento, lesão, dor e diminuição do movimento articular.

O estresse contínuo nos músculos e articulações pode acelerar as manifestações degenerativas normais e naturais que ocorrem nessa região. Se você sente a necessidade de estalar verifique se ela é motivada pelo desconforto ou dor, manifestação característica de uma disfunção que ocorre nas articulações.

Estalar a coluna coloca a coluna no lugar?

É muito comum pensarmos que com o “estalo” houve algum tipo de encaixe.

Um dos grandes mitos quando o assunto é tratamento das dores nas costas é a afirmação de que “estalar” a coluna coloca as articulações da coluna “no lugar”, alinha as vértebras ou termos similares. É uma ideia muito difundida, porém, errada. 

Entretanto, há pessoas que possuem instabilidade vertebral, isto é, vértebras que possuem movimentos anômalos entre elas, e isso pode justificar com mais propriedade as sensações de encaixe e desencaixe, mas está longe se der a situação mais comum.

O que fazer para colocar a coluna no lugar? 

Se você já fez alguma aula de educação física ou frequenta a academia, certamente algum professor já tentou colocar a sua coluna no lugar, esperando as famosas estaladas…

Na próxima vez, recuse a gentileza. Saiba que ninguém ajusta a coluna com a pressão das mãos. Pode até aliviar dores. Um terço da população brasileira tem escoliose e o ser humano não é simétrico, pessoas destras tendem a ter braços e pernas do lado direito maiores, e isso não chega a ser efetivamente um problema em alguns casos.

Colocar a coluna no lugar depende mais de exercícios e alongamentos ativos do que terapias passivas manuais.

Porém, caso seja um problema, então procure um médico especialista que vai dar as orientações corretas para resolver, sem riscos de que um desconforto acabe se tornando motivo de dor de cabeça, como uma lesão mais séria em alguma das vértebras.

Fique atento, não negligencie as dores na coluna, assim como assimetrias nos ombros, costelas e bacia…

E em caso de dor na coluna e nos ombros, sempre procure um especialista para que possa receber um diagnóstico mais preciso, de forma a direcionar seu tratamento.

Previna-se e complemente o seu conhecimento com esses próximos artigos:

👉 Coluna travada: Saiba o porquê acontece e o que fazer  

👉 Alongamento para coluna: Aprenda a prevenir a dor nas costas 

👉 Saiba como a obesidade pode gerar problemas na coluna 

👉 Os malefícios causados pela má postura corporal – Dr Henrique Noronha

Vale ressaltar a importância de um médico especializado para realizar o diagnóstico correto. Pensando em proporcionar a melhor solução para sanar os problemas dos pacientes, o Dr. Henrique Noronha é médico ortopedista, especialista em cirurgia de coluna e intervenção de dor, usando técnicas minimamente invasivas, se colocando sempre à disposição para trazer mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com problemas na coluna – Agende já a sua consulta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.