Hoje vamos falar sobre a espondilite anquilosante, uma doença do tipo artrite, auto imune e inflamatória crônica que afeta os tecidos conjuntivos, especialmente as articulações da coluna, causando rigidez e dor nas costas.

Mais especificamente a espondilite anquilosante atinge as articulações do esqueleto axial (que compreende os ossos da cabeça, tórax e coluna), especialmente as da coluna e ombros, e dos quadris e joelhos.

Ficou curioso para saber mais sobre a Espondilite Anquilosante? Continue lendo e descubra tudo sobre essa doença, desde os sintomas até possíveis tratamentos.

espondilite anquilosante

O que é Espondilite Anquilosante?

A espondilite anquilosante é uma doença inflamatória crônica que, com o tempo, pode provocar a fusão de alguns dos pequenos ossos da coluna vertebral (vértebras). 

Espondilite significa inflamação da coluna, e Anquilosante significa a fusão, ou solda, de dois ossos em um só. Esta fusão torna a coluna menos flexível e pode resultar numa postura curvada para a frente, causando outros problemas, como dificuldade na respiração.

Essa postura curvada e falta de flexibilidade na coluna acontecem, pois a doença afeta os tecidos conjuntivos, caracterizando-se pela inflamação das articulações da coluna e outras articulações, como: quadris, ombros e outras regiões.

espondilite anquilosante

Esse tipo de complicação está relacionada ao próprio sistema imunológico do corpo, fazendo com que ele ataque as próprias células e tecidos saudáveis, como se fossem invasores. É uma doença auto-imune.

Quais as causas da Espondilite Anquilosante?

As causas da doença ainda são desconhecidas, mas como já dissemos anteriormente, sabe-se que espondilite anquilosante ocorre quando o sistema imunológico do corpo passa a atacar suas próprias articulações. 

O que se pode dizer é que as pessoas que possuem um gene chamado HLA-B27 apresentam um risco maior de desenvolver espondilite anquilosante. No entanto, apenas algumas pessoas com este antigénio desenvolvem a doença.

Normalmente, as articulações entre os ossos da coluna e/ou as articulações entre a coluna e o quadril (articulações sacroilíacas), são os primeiros alvos desses ataques.

Interferência do gene HLA-B27

Segundo especialistas, a doença é cerca de 300 vezes mais frequente em pessoas que possuem um determinado grupo sanguíneo de glóbulos brancos, denominado HLA-B27. 

Praticamente, 90% dos pacientes brancos com espondilite anquilosante são HLA-B27 positivos. 

Mesmo sem uma causa comprovada, a teoria mais aceita é de que a doença possa ser desencadeada por uma infecção intestinal em pessoas geneticamente predispostas, portadoras do HLA-B27.

Os sintomas da Espondilite Anquilosante

O sintoma mais frequente da espondilite anquilosante é a dor lombar inflamatória, mas a doença pode começar nas articulações periféricas, ocorrendo raramente com iridociclite aguda (irite ou uveíte anterior). 

Os sintomas são dores na coluna que surgem de modo lento ou insidioso durante algumas semanas, associadas à rigidez matinal da coluna, que diminui de intensidade durante o dia. A dor persiste por mais de três meses, melhora com exercício e piora com repouso.

Alguns pacientes se sentem globalmente doentes, isto é, cansados, perdem apetite e peso, podendo ter anemia.

A inflamação das articulações entre as costelas e a coluna vertebral pode causar dor no peito, que piora com a respiração profunda, sentida ao redor das costelas, podendo ocorrer diminuição da expansibilidade do tórax durante a respiração profunda.

Dores nos calcanhares, na inserção dos tendões, as entesites, são comuns. 

O diagnóstico de Espondilite Anquilosante

A espondilite anquilosante é mais facilmente diagnosticada por médicos reumatologistas e  ortopedistas especializados na coluna. Normalmente, seu diagnóstico é baseado no histórico do paciente, conjunto de sintomas descritos por ele (dor nas nádegas e dor nas costas) e exames físicos. 

Durante o exame físico, geralmente examina-se as costas e procura-se por espasmos musculares, focando na postura e na mobilidade, examinando também outras partes do corpo para encontrar outras evidências. 

Já com todas essas informações, são pedidos exames sanguíneos, aliados a exames de imagem (raios-x, tomografia computadorizada ou ressonância magnética) das articulações sacroilíacas, da coluna e das juntas afetadas para confirmar o diagnóstico. 

espondilite anquilosante 2

O tratamento da Espondilite Anquilosante

Como a espondilite anquilosante não tem cura, o objetivo do tratamento da doença é retardar a progressão, aliviar a dor, a rigidez da coluna e prevenir ou atrasar o desenvolvimento de complicações e deformidade espinhal.

Tratamento medicamentoso

A prescrição de medicamentos (remédios) anti-inflamatórios não esteróides (AINes) como indometacina, ibuprofeno e naproxeno, ajudando a maioria das pessoas que têm espondilite anquilosante, pois conseguem controlar a dor e a inflamação das vértebras ou articulações.

Quando os medicamentos anti-inflamatórios não esteróides já não proporcionam alívio suficiente, o médico especialista pode prescrever fármacos mais fortes. Corticosteróides são frequentemente prescritos nestes casos, porque são medicamentos que permitem obter uma boa resposta na redução da inflamação.

Outro tipo de medicação frequentemente prescrita são os inibidores do fator de necrose tumoral (TNF) que podem bloquear os gatilhos de inflamação no corpo. Estes medicamentos podem aliviar a dor articular e a rigidez.

Fisioterapia

A fisioterapia constitui uma parte importante do tratamento da espondilite anquilosante e pode fornecer uma série de benefícios, designadamente, o alívio da dor para melhorar a força e flexibilidade das articulações.

Por exemplo, fazer exercícios de amplitude de movimento e alongamentos podem ajudar a manter a flexibilidade nas articulações e preservar uma boa postura.

espondilite anquilosante fisioterapia

Tratamento cirúrgico

A grande maioria das pessoas com espondilite anquilosante não precisa de cirurgia. No entanto, o médico especialista pode recomendar a cirurgia se o doente apresentar alterações que o justifiquem, por exemplo, caso a articulação do quadril se encontre tão danificada que precise de ser substituída (artroplastia do quadril).

Da mesma forma, a osteotomia pode vir a ser realizada em pessoas com má postura causada por ossos fundidos. Durante a operação, o cirurgião corta e realinha os ossos da coluna vertebral de modo a corrigir ou atenuar a deformidade decorrente da espondilite anquilosante.

Pacientes com espondilite frequentemente apresentam dor nas sacroilíacas. Procedimentos como a infiltração e a rizotomia desta articulação podem ser úteis no controle da dor nestes pacientes.

Fique atento, não negligencie as dores na coluna, assim como assimetrias nos ombros, costelas e bacia…

Vale ressaltar a importância de um médico especializado para realizar o diagnóstico correto. Pensando em proporcionar a melhor solução para sanar os problemas dos pacientes, o Dr. Henrique Noronha é médico ortopedista, especialista em cirurgia de coluna e intervenção de dor, usando técnicas minimamente invasivas, se colocando sempre à disposição para trazer mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com problemas na coluna – Agende já a sua consulta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.