O bico de papagaio, como é popularmente conhecida a osteofitose, é caracterizado pelo crescimento anormal de uma saliência óssea (osteófito) em torno das vértebras. Esta saliência surge como consequência da desidratação do disco intervertebral, o que favorece a aproximação das vértebras e torna possível a compressão das raízes nervosas. 

Na verdade, os osteófitos podem ser considerados um tipo de defesa do organismo para absorver a sobrecarga exercida sobre as articulações e estabilizar a coluna vertebral.

A osteofitose é mais conhecida como bico de papagaio, pois na radiografia da coluna, é possível verificar que a alteração óssea apresenta a forma de um gancho que é semelhante ao bico de um papagaio.

A deformação afeta especialmente as pessoas depois dos 50 anos, mas pode manifestar-se também em pessoas mais jovens expostas aos fatores de risco.

Apesar de não ter cura, o bico de papagaio pode piorar ao longo do tempo e, por isso, é importante realizar tratamentos que ajudem a aliviar os sintomas e promover a qualidade de vida, podendo ser recomendada a realização de fisioterapia e uso de medicamentos analgésicos.

Ficou curioso para conhecer mais sobre esse tipo de doença muito falada, porém pouco conhecida? Continue com a gente!

Causas do Bico de Papagaio ou Osteofitose

O bico de papagaio aparece mais comumente devido ao envelhecimento e à utilização das estruturas discoarticulares ao longo dos anos, promovendo o desgaste no disco intervertebral que faz as vértebras se aproximarem muito, levando a formação de novas estruturas ósseas que se formam nas bordas das vértebras, os já mencionados osteófitos.

Além disso, o bico de papagaio pode estar relacionado a problemas anteriores como hérnias, artrose, escoliose, além de doenças autoimunes, como espondilite anquilosante e artrite reumatoide, por exemplo.

Também estão atrelados ao surgimento de osteofitose, predisposição genética, obesidade, tabagismo sedentarismo e movimentos anormais da coluna (instabilidade)

Assim, o bico de papagaio é mais comum de acontecer a partir dos 45 anos devido ao desgaste natural dos discos da coluna vertebral, em pessoas que têm excesso de peso, que não praticam atividade física e em pessoas que já sofreram traumas na coluna ou possuem doenças reumáticas.

Sintomas frequentes do Bico de Papagaio ou Osteofitose

A maioria dos casos não apresenta sinais ou sintomas, muitas vezes só é sabido a existência do bico de papagaio através da realização de um raio-X para outra condição. Ou seja, em grande parte da população o bico de papagaio não é uma doença, mas apenas um achado de exame correspondente ao envelhecimento natural do corpo.

Porém, em alguns casos, pode levar a compressão das estruturas nervosas dependendo da sua localização causando sintomas bastante desagradáveis, como:

Estes sintomas são comuns a outras doenças osteoarticulares, principalmente da coluna, e para confirmar o diagnóstico é fundamental ir a um médico ortopedista especializado para realizar um raio X da coluna ou ressonância magnética, e realizar o diagnóstico com precisão.

Com estes exames de imagem, o médico consegue verificar o desgaste do disco intervertebral, aproximação entre as vértebras e a formação de proeminências na região lateral das vértebras semelhante ao bico de papagaio, podendo então ser indicado o tratamento mais adequado.

Diagnóstico de Osteofitose ou Bico de Papagaio

A avaliação clínica e o levantamento da história de vida do paciente são elementos básicos para estabelecer o diagnóstico de bico-de-papagaio. 

No entanto, exames de imagem como raios X, tomografia computadorizada e ressonância magnética são extremamente úteis para analisar a extensão e gravidade do problema.

Como prevenir Bico de Papagaio ou Osteofitose

Alguns cuidados são muito importantes para prevenir a formação de bicos-de-papagaio. É preciso redobrar a atenção nas atividades do dia a dia que possam favorecer a ocorrência de pequenos traumas e/ou o aumento da sobrecarga na coluna vertebral, já que o excesso de peso e movimentos irregulares  são consideradas algumas das principais causas.

A manutenção do peso corporal junto a prática regular da atividade física são consideradas também medidas preventivas indispensáveis para evitar o desenvolvimento da osteofitose.

Os exercícios mais recomendados são os de baixo impacto, como hidroginástica, bicicleta, natação, musculação leve orientada e alongamento, pois não forçam as articulações e aqueles que possam favorecer o fortalecimento da musculatura abdominal e da coluna, além de serem indicados para diferentes idades, sendo possível a prevenção.

Existe cura para Bico de Papagaio ou Osteofitose?

O bico de papagaio não tem cura, pois ainda não existe tratamento para recuperar o disco intervertebral, remediando o desgaste que sofreu. Porém, analgésicos e anti-inflamatórios, como  o Diclofenaco, por exemplo, podem ser úteis para aliviar a dor, mas o fundamental é desenvolver hábitos que facilitem corrigir os problemas mecânicos da coluna

Vale lembrar que além disso, é importante aprimorar o alinhamento postural através de exercícios de resistência, o que muitas vezes deve ser orientado por um fisioterapeuta, especialmente em casos onde o paciente necessite aperfeiçoar sua consciência corporal e melhorar seu desempenho motor, seja aprendendo a realizar movimentos mais seguros para coluna (como não abaixar para pegar pesos com a perna estendida), seja no aumento da resistência muscular, essencial para a proteção das articulações. 

Nos casos mais graves, em que também pode ser observado desalinhamento na coluna, ou pinçamento de nervos e medula, o médico pode indicar a realização de cirurgia para corrigir essa alteração.

Mude seus hábitos

Mudanças no estilo de vida são muito importantes para prevenir ou evitar a formação de bicos-de-papagaio, uma doença encarada como banal, mas que pode provocar dor, desconforto e restrição de movimentos, assim como já explicado acima.

Sendo assim, fique atento:

Não negligencie as dores na coluna, assim como assimetrias nos ombros, costelas e bacia…

Vale ressaltar a importância de um médico especializado para realizar o diagnóstico correto, em alguns casos a intervenção cirúrgica pode ser recomendada por um especialista, com a finalidade de facilitar a locomoção. 

Pensando em proporcionar a melhor solução para sanar os problemas dos pacientes, o Dr. Henrique Noronha é médico ortopedista, especialista em cirurgia de coluna e intervenção de dor, usando técnicas minimamente invasivas, se colocando sempre à disposição para trazer mais qualidade de vida às pessoas que sofrem com problemas na coluna – Agende já a sua consulta.

3 respostas

  1. ACHEI MUITO INTERESSANTE ESSA REPORTARGEM POIS TIVE UM AMPLO ENSINO DO MEU CASO. ONTEM, 18/7/22 DESCOBRI Q TENHO BICO DE PAPAGAIO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.