XLIF – Fusão Intervertebral eXtremo Lateral

As informações disponíveis abaixo não substituem qualquer consulta com seu médico especialista em coluna, pois algum elemento descrito não vai necessariamente se aplicar ao tratamento ou resultado de cada indivíduo.


Sobre a coluna Toracolombar

A coluna toracolombar é composta de 17 ossos, chamados vértebras. Doze vértebras formam a coluna torácica (no peito) e cinco vértebras formam a coluna lombar (parte inferior das costas). Entre cada vértebra existem articulações que fornecem amortecimento necessário para a rotação e flexão da coluna vertebral. Estes são chamados discos intervertebrais. Cada disco é composto por duas partes, uma camada externa fibrosa e resistente (ânulo fibroso) e um centro macio e gelatinoso (núcleo pulposo). Essas duas partes trabalham em conjunto para permitir que a coluna dobre, torça e também forneça absorção de choque.
entenda_coluna

entenda_coluna2

O que está causando minha dor?

Existem várias causas principais de problemas na coluna. A maioria dos sintomas é causada por instabilidade ou por disco, osso ou ligamentos pressionando as raízes nervosas e / ou medula espinhal.

DOENÇA DEGENERATIVA DE DISCO (DDD)
Durante o processo de envelhecimento natural, os discos entre cada corpo vertebral podem perder sua flexibilidade, altura e elasticidade, o que pode causar uma fissura na camada externa resistente do disco, fazendo com que o disco fique protuberante ou vaze o núcleo gelatinoso. As protuberâncias ou vazamentos podem acabar comprimindo as raízes nervosas e / ou medula espinhal, causando sintomas, incluindo, mas não se limitando a dor lombar e / ou na perna.

ESPONDILOLISTESE DEGENERATIVA
A espondilolistese degenerativa é uma condição em que uma vértebra escorregou sobre outra abaixo dela. Essa instabilidade geralmente ocorre como resultado de alterações degenerativas, mas também pode ser causada por fraturas por estresse ou por anomalias congênitas (defeitos congênitos) e, em casos raros, por tumor ou trauma.

ESCOLIOSE DEGENERATIVA
A escoliose degenerativa do adulto é uma condição na qual uma curva direita-esquerda ou lateral se desenvolve em uma coluna previamente reta. Essa curvatura ocorre como resultado da deterioração do disco e das articulações na parte de trás da coluna. À medida que as articulações degeneram, elas criam um desalinhamento nas costas, resultando em uma dobra ou curvatura, causando sintomas que incluem dores nas costas e / ou nas pernas.

Quais são minhas opções de tratamento?

Muitos dos sintomas podem ser tratados sem cirurgia por meio de métodos que envolvem medicação, repouso, bloqueios, calor e fisioterapia. É importante que você fale com seu médico especialista em coluna sobre as melhores opções para você. Se os seus sintomas não melhorarem com outros métodos, o seu médico pode sugerir cirurgia na coluna vertebral. A cirurgia é reservada para aqueles que não obtêm alívio de formas de tratamento não cirúrgicas, pacientes cujos sintomas estão aumentando ou piorando e / ou pacientes que apresentam uma condição de coluna que indica a necessidade de cirurgia.

O que é um procedimento de Fusão Intervertebral eXtremo-lateral (XLIF)?

A técnica de Fusão XLIF é um procedimento cirúrgico de acesso realizado através da lateral do corpo. Ele é projetado para tratar uma variedade de patologias da coluna vertebral. Usando a tecnologia patenteada de monitoramento de nervos, o cirurgião ganha acesso lateral (de lado) à coluna vertebral, evitando nervos importantes na área entre a incisão e a coluna. O procedimento XLIF não requer uma exposição anterior (frontal) ou posterior (costas) e, portanto, não apresenta os mesmos riscos de lesão vascular e / ou neural que as abordagens tradicionais.

Um XLIF é adequado para o meu caso?

Se você precisar de cirurgia na coluna, seu médico pode determinar que o procedimento XLIF é uma boa opção para você. Alguns exemplos de patologias (condições) que podem ser ideais para o procedimento XLIF incluem:
• Discos degenerados e / ou articulações facetárias que causam movimento e dor não naturais
• Deslizamento de uma vértebra sobre outra (espondilolistese)
• Alteração da curvatura normal da coluna (escoliose degenerativa)
• Doença do disco adjacente (hérnia discal acima ou abaixo de uma artrodese)
Por outro lado, o seu médico pode determinar que um procedimento XLIF não é uma boa opção para você. É importante discutir isso com seu médico para determinar o melhor curso de tratamento para você.

Quais são os possíveis benefícios de um procedimento XLIF?
• Incisão menor
• Menor perda de sangue durante a cirurgia
• Tempo de operação reduzido
• Internação reduzida
• Tempo de recuperação pós-operatório reduzido
• Aumenta significativamente a estabilidade da coluna para cura a longo prazo (fusão)

tabela

1. Oliveira L, Marchi L, Coutinho E, et al. The use of rh-BMP2 in standalone eXtreme Lateral Interbody Fusion (XLIF®): clinical and radiological results after 24 months follow-up. WscJ 2010;1(1):19-25.
2. Dakwar E, Cardona RF, Smith DA, et al. Early outcomes and safety of the minimally invasive, lateral retroperitoneal transpsoas approach for adult degenerative scoliosis. Neurosurg Focus 2010;28(3):E8.
3. Dhall SS, Wang MY, Mummaneni PV. Clinical and radiographic comparison of mini–open transforaminal lumbar interbody fusion with open transforaminal lumbar interbody fusion in 42 patients with long-term follow-up. J Neurosurg Spine 2008;9:560-5.
4. Whitecloud TS 3rd, Roesch WW, Ricciardi JE. Transforaminal interbody fusion versus anteriorposterior interbody fusion of the lumbar spine: a financial analysis. J Spinal Disord 2001 Apr;14(2):100–3.
5. Lucio JC, VanConia RB, DeLuzio KJ, et al. Economics of less invasive spinal surgery: an analysis of hospital cost differences between open and minimally invasive instrumented spinal fusion procedures during the perioperative period. Risk Manag Healthc Policy 2012;5(5):65-74.
6. Ozgur BM, Agarwal V, Nail E, et al. Two-year clinical and radiographic success of minimally invasive lateral transpsoas approach for the treatment of degenerative lumbar conditions. SAS J 2010;4:41–6.
7. Park Y, Ha JW. Comparison of one-level posterior lumbar interbody fusion performed with a minimally invasive approach or a traditional open approach. Spine 2007;32(5):537-43.
The above data represents typical outcomes of patients being treated for degenerative disc disease, spondylolisthesis, and scoliosis.

O que devo esperar…?
ANTES da cirurgia

Seu médico especialista em coluna revisará sua condição e explicará todas as suas opções de tratamento, incluindo medicamentos, fisioterapia e outras cirurgias, como remoção de um disco doente, fusão, etc.
Depois de ter sido internado no hospital, você será levado para uma sala pré-operatória e preparada para cirurgia. Isso pode incluir instruções sobre a cirurgia, limpeza do seu local cirúrgico, bem como instruções sobre o período pós-operatório.

O que acontece durante a cirurgia?

Depois que você estiver sedado, posicionado de lado e coberto, uma imagem de raio-x é tirada de sua coluna para identificar a localização do espaço do disco a ser operado.

XLIF Patient Education Brochure lombar2

1. Abordagem
Seu cirurgião fará uma pequena incisão na lateral (lateral) do seu corpo. Os dilatadores serão usados para direcionar o caminho para o espaço discal afetado enquanto monitora os nervos locais. Uma vez determinado o caminho mais seguro, um afastador será utilizado para manter a incisão da pele aberta, proporcionando acesso e visibilidade à área afetada.

2. Discectomia
O disco doente ou danificado é removido para reduzir a pressão do cordão sintomático ou da raiz nervosa.

Quais implantes são usados?

Abaixo estão alguns exemplos dos implantes que podem ser usados durante o procedimento XLIF:

XLIF Patient Education Brochure lombar2

3. Implante
Um implante apropriado, escolhido pelo cirurgião, será colocado no espaço do disco para restaurar a altura adequada do disco e fornecer suporte mecânico enquanto o osso cresce entre os corpos vertebrais durante o processo de fusão (consolidação óssea). Esse segmento da sua coluna irá se estabilizar quando a fusão ocorrer.

4. Fixação
Geralmente, algum método de fixação interna será usado para atuar como um dispositivo de estabilização (suporte interno) para ajudar a manter tudo no lugar enquanto a fusão ocorre. Pode ser uma combinação de parafusos, hastes ou placas afixados nas vértebras adjacentes. O seu cirurgião irá determinar que tipo de fixação é necessária durante o procedimento.

O que devo esperar…?
DEPOIS da cirurgia

Após a cirurgia, você acordará na sala de recuperação, onde seus sinais vitais serão monitorados e sua condição pós-operatória imediata será cuidadosamente observada. A maioria dos pacientes permanece na sala de recuperação entre uma e três horas após a cirurgia. Quando a equipe médica se certificar que você está bem, será devolvido ao seu quarto no hospital. É normal que sua incisão seja dolorida imediatamente após a cirurgia.
A maioria dos pacientes com XLIF® recebe alta do hospital dentro de 1-2 dias após a cirurgia, mas seu médico determinará o melhor curso pós-operatório para você. No dia seguinte à sua cirurgia, seu médico pode instruí-lo a usar uma órtese por um período de tempo para ajudar no processo de fusão espinhal. Supervisionado por profissionais médicos treinados, seu médico pode pedir que você se sente, fique de pé ou caminhe com cuidado dentro de 24 horas da cirurgia. Uma vez que você é liberado do hospital, é importante limitar suas atividades por um período de tempo (determinado pelo seu médico) para dar ao seu corpo uma chance de se curar. Seu médico irá discutir com você algum analgésico para levar para casa, bem como um programa prescrito de atividades. Seu médico fornecerá instruções sobre cuidados com feridas, exercícios e limitações à atividade pós-operatória.

Existem riscos envolvidos?

Tenha em mente que toda cirurgia apresenta riscos e complicações que são importantes para discutir com seu médico especialista em coluna antes de sua cirurgia. Ouvir a orientação do seu médico, antes e depois da cirurgia, ajudará a garantir o melhor resultado possível do seu procedimento. Riscos potenciais após a cirurgia XLIF incluem: problemas com anestesia, infecção, danos nos nervos, problemas com o enxerto ou hardware e dor contínua. Isto não pretende ser uma lista completa das possíveis complicações. Por favor, entre em contato com seu cirurgião para discutir todos os riscos potenciais.

Dúvidas comuns

POSSO TOMAR BANHO APÓS A CIRURGIA?
Dependendo da sua incisão cirúrgica, você pode ter restrições de banho. Pergunte ao seu médico as instruções apropriadas.

VAI FICA ALGUMA CICATRIZ?
Seu médico discutirá as incisões que serão feitas durante uma cirurgia XLIF. Cicatrizes muito pequenas de aproximadamente uma polegada são comuns.

QUANDO POSSO DIRIGIR?
Por um período de tempo após a cirurgia, você pode ter restrição à algumas atividades como dirigir. Seu médico lhe dirá quando você pode dirigir novamente.

POSSO VIAJAR?
Os implantes usados no procedimento XLIF podem ativar um detector de metais. Devido ao aumento das medidas de segurança nos aeroportos, por favor ligue para a autoridade aeroportuária local antes de viajar para obter informações. Isso pode ajudá-lo a passar pela segurança com mais rapidez e facilidade. Peça ao seu médico para fornecer um cartão de identificação do paciente.